A peregrinação

Os olhos cansados de palmilhar a vida não encontravam repouso senão numa breve e ténue esperança de chegar ao destino. Uma peregrinação que tinha como bordão a doença e como alívio para a sede a “fome” de uma resposta para os problemas da vida. E não era o único. Caminhavam com ele tantos outros, com outras origens, com outras “fomes”. Ao chegar, fazia as suas preces, cumpria preceitos e até implorava com os joelhos rasgados por um milagre. No regresso, vinham com ele os mesmos problemas e dores. Mas tinha que tentar, outra vez. E se não fosse ali, noutro lugar. Noutra pessoa. Noutro caminho.

Quantas peregrinações fazemos pela vida, procurando respostas e soluções? Nos altares que construímos no nosso coração colocamos aquilo ou aquele(s) que, pensamos, vão solucionar os nossos problemas — dinheiro, pessoas, casamento, carreira. Queremos que tudo mude à nossa volta, mas nós não queremos mudar. E não queremos outro caminho senão aquele que parece bem aos nossos olhos. Que é mais confortável, sedutor ou dramático. 



Uma mulher de origem samaritana, que se encontrou com Jesus, vinha com o coração desfeito pelas suas escolhas sentimentais. Ela já tinha entregado o seu coração a tantas paixões, mas nenhuma a tinha satisfeito realmente. A certa altura, na sua conversa com Jesus, ela coloca uma questão acerca do lugar onde deveria peregrinar para adorar: “Os nossos antepassados samaritanos adoraram a Deus neste monte. Vocês dizem que só em Jerusalém é que se deve adorar a Deus.” (João 4:19, BPT)  A resposta de Jesus foi, e é, esclarecedora: “Está a chegar a hora — e é agora mesmo — em que aquele que adora o Pai o há de adorar no Espírito e em verdade. São estes os adoradores que o Pai procura. Deus é espírito e os que o adoram devem fazê-lo no Espírito e em verdade.” (João 4:23 e 24, BPT) A ênfase não está no lugar mas na pessoa a quem veneramos, respeitamos e adoramos e, claramente, o único que merece o altar do nosso coração é o Deus Triuno (Pai, Filho e Espírito Santo).

As palavras de Jesus para todos os que caminham à procura de alívio e esperança ainda hoje são válidas: “Venham ter comigo todos os que andam cansados e oprimidos e eu vos darei descanso. Aceitem o meu jugo e aprendam comigo, que sou manso e humilde de coração. Assim o vosso coração encontrará descanso, pois o meu jugo é agradável e os meus fardos são leves.” (Mateus 11:28-30, BPT) Quem aceita este convite de Jesus pode estar certo que Ele vai mudar completamente a sua vida — mesmo que as circunstâncias não se alterem. “É que quando alguém está unido a Cristo torna-se uma pessoa nova. As coisas antigas passaram. Tudo é novo. Isto é obra de Deus que, em Cristo, nos reconciliou consigo e nos chamou a colaborar nessa missão de reconciliação.” (2 Coríntios 5:17-18, BPT)

Pedro, o apóstolo, diz na sua primeira carta às igrejas que os seguidores de Jesus são “peregrinos e emigrantes” (1 Pedro 2:11, BPT) Quando aceitamos que somos necessitados do Seu perdão, e começamos a caminhar com Ele, entramos numa peregrinação... mas muito diferente daquela com que começámos este texto. Aquele que nos promete receber tem poder total para cumprir o que diz. “Mas nós, segundo a promessa de Deus, esperamos novos céus e nova terra, onde habita a justiça.” (2 Pedro 3:13, BPT) 

Jesus é único caminho para a vida com Deus, uma vida abundante aqui e pela eternidade. Ele já fez o sacrifício pelos nossos pecados. Nada mais é necessário. Agora, caminhamos com Ele e para Ele, enquanto partilhamos com os que nos rodeiam a Sua mensagem de salvação.

“Sou forasteiro aqui, em terra estranha estou,/ Celeste pátria, sim, é para onde vou;/ Embaixador, por Deus, de reinos d’além Céus,/ Venho em serviço do meu Rei./ Eis a mensagem que me deu,/ Que os anjos cantam lá no Céu:/ ‘Reconciliai-vos já’, diz o Senhor, Rei meu,/ ‘Reconciliai-vos já com Deus!’”1

Ana Ramalho Rosa


 1 Excerto do hino nº207 do hinário Cânticos de Alegria, “A Mensagem Real”, de Flora Hamilton Cassel e Elijah Taylor Cassel.

in revista Novas de Alegria, maio 2017. Texto escrito conforme o novo acordo ortográfico

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Teresa — até que todos ouvissem...

5 mitos acerca da chamada a tempo integral

A (des)ilusão da autoajuda